voltar

A última hora da noite

Deixar comentário

por Luiz Augusto Rocha

O que fazer agora
que a hora da noite,
derradeira e angustiante,
comprime o tempo que falta?

Semana passada eu ainda corria
brincando nas trincheiras do quintal,
entre frutas, flores, insetos e tanto mais,
que não mais lutava contra o sono.

Ontem, eu fui atrás de muita coisa,
de livros, exercícios, amigos, risos
indisciplinados, largos, cientes…
E caí no início do quarteirão.

Em casa, a mobília agora não guarda nada,
já as caixas aguardam o carregamento.
Os animais estão dormindo tranquilos
com as janelas e portas abertas.

A manhã que se anuncia, mesmo tímida,
num misto de cansaço, ansiedade e alegria,
abre-se no cantar do galo e dos passarinhos
perguntando o que tem para amanhã.

______

Texto publicado originalmente em Modesto cabotino.