voltar

Uma lufada de vento – cap 31

atualizado 15 maio 2018 Deixar comentário
Em trânsito na chamada Ruta 18

 

por Renato Renato; colaboração de Aléxis Góis

Julinho esterçou El fuca blanco. Uma lufada de vento entrou no interior do veículo. O mapa, que estava em minhas mãos, foi parar no teto do carro. Sem querer querendo, el condutor esterçou o volante novamente. Estiquei um dos braços, na tentativa de resgatar o papel. Tragédia! Metade do mapa foi-se embora com o vento pra fora do veículo. A outra metade? Eu pude sentir gloriosamente presa no punho de minha mãe direita… Julinho esterçou o volante à esquerda, instante em que senti meu corpo se deslocar lentamente junto à porta de nossa máquina do tempo. Um deslocamento necessário… Havíamos ingressado na chamada Ruta 18, num entroncamento rodoviário, após trânsito rápido pela Ruta 26. Ruta? Lembrei-me da famosa Rota 66 ou Route 66, dos Estados Unidos. Uma associação de ideias que foi tema de conversa breve entre el condutor e eu. Sem muito saber da Rota 66, conhecida de filmes enlatados das TVs comerciais, não avançamos a respeito do tema. A nossa ruta – voltei-me para esta história contada – não possuía paralelos com a ruta dos imperadores decadentes do globo terrestre. A ruta aqui narrada era curta, sinuosa em alguns pontos do início de percurso, linha reta em outros, margeada por pastagens e plantações de grãos. A inscrição “ruta”, notem ou anotem, vem sempre acrescida de um número… Diga-se: eram várias rutas em questão. Fui rapidamente me dar conta do tópico, eram várias rutas a interligar o território uruguaio que, conforme dados oficiais, mede 176.215 quilômetros quadrados. Entre as principais rutas do País das Políticas de Vanguardas, pelo menos umas vinte delas merecem destaque. “Ruta…”, eu pronunciei, “… estamos na Ruta…?”. “… dezoito”, Julinho me socorreu com uma fala providencial. A indicação foi tirada do mapa vitimado pela lufada de vento, ou melhor, de uma fotocópia do território uruguaio extraído da página eletrônica do Google; o xerox do mapa foi impresso em papel jornal,  quase de improviso e suscitado no “último minuto” da preparação de partida de viagem em Jaguarão.

(continua)