voltar

Gentes

Deixar comentário

por Luiz Augusto Rocha

Tem gente que é um pote até aqui de mágoa.
Tem gente que é uma ânfora de mistério.
Tem gente que é um vaso transbordando alegria.
Tem gente que é um copo meio vazio de tristeza
e meio cheio de plena alegria.

Todas as pessoas, e eu me incluo,
são um recipiente para a angústia,
que fica à espreita
doida pra trincar a gente.

______

Texto publicado originalmente em Modesto cabotino.

voltar

Poema para vocês

Deixar comentário

por Luiz Augusto Rocha

Que tomam na cara,
na boca do estômago,
que não se acovardam,
que caem chutados,
levantam mais fortes,

que saem das casas,
que saem dos becos,
que invadem a vida,
que levam a vida
pra dentro de nós,

que rompem o medo,
que irrompem às ruas,
que troçam da tropa,
que gritam mais alto
e lutam, trabalham:

que mostrem ao mundo
que o mundo ainda muda!

______

Texto publicado originalmente em Modesto cabotino.

voltar

Gente-terra

Deixar comentário

por Luiz Augusto Rocha

Terra batida, pisada,
agredida, arrasada.
Terra pobre, preta,
fodida, ensanguentada.

Terra que pede água,
que se plante o arroz e feijão.
Terra que só tem a si
e uma esperança infindável.

Terra de que fazemos parte
sem darmos conta disso.
Terra que carrega sonhos
para além dos mesquinhos.

Terra que gera vida,
apesar de tudo!
______

Texto publicado originalmente em Modesto cabotino.

voltar voltar voltar

Ocasião de ouvir

atualizado 13 outubro 2014 Deixar comentário

por Luiz Augusto Rocha

Rápidos e rasteiros.
Repetitivos, reacionários.
Ridículos… Ríspidos.
Robóticos rótulos.
Ruminando…

Mal sabem que o sexo
não é uma corrida de gente nua;

Que o trabalho
é bem mais que um diploma;

A música
tampouco é repetição – ou só isso.

Rápidos e repetitivos:
tão rápidos e repetitivos,
mas tão rápidos e repetitivos,
que apenas se ouve essa batida,
o rap-rep-rap-rep-rap-rep…

______

Texto publicado originalmente em Modesto cabotino.