voltar

6/9 – Visita à Casa do Povo – parte 1

Deixar comentário

por Marisa Veiga

A manhã do dia 6 de setembro estava reservada para visita à chamada Casa do Povo, o Congresso Nacional. Para entrar nessa tal casa há antes uma fila para revista e cadastro. Após bolsas revistadas com ajuda de detector de metais e cadastro feito com fotos de nossas faces recebemos os nossos adesivos de visitantes.

Fomos recebidos por um representante da Comissão de Legislação Participativa, Aldo Matos Moreno, que juntamente com participantes da Comissão de Cultura, coordenou a atividade mais elogiada pelos participantes da viagem aquele ano.

Tivemos a oportunidade de simular a participação em uma comissão parlamentar, com todas as normas burocráticas internas, para a discussão e votação simulada em diversos temas sugeridos pelas comissões como descriminalização de drogas atualmente ilícitas ou descriminalização do aborto.

A proposta de atividade previa que em determinados momentos, dentro dos grupos, defendêssemos posicionamentos que pessoalmente não eram nossos. Segundo Aldo, esse tipo de situação acontece realmente. Muitas vezes os parlamentares passam por isso por terem que manter uma decisão do partido.

De fato, os parlamentares, em teoria, não devem exercer suas funções baseados em interesses pessoais, mas também não sei até que ponto uma decisão totalmente partidária considera os interesses dos estados da federação, que deveriam estar representados ali.

Percebi que a Casa do Povo tem muitos funcionários. A simulação também consistia em receber um tratamento parlamentar, inclusive não precisando ir até um bebedouro ou até uma garrafa de café. Funcionários muito bem uniformizados, com terno e gravata borboleta, levavam até nós o café e a água de que precisávamos e pareciam surpreendidos com um agradecimento verbal. Pessoalmente fiquei incomodada em pensar em tantas pessoas desacostumadas a ouvir “Obrigada!”.

No destaque, estudantes em ato numa comissão legislativa da Câmara Federal

______

Bônus de imagens deste diário (Créditos de imagens: Vitor Cheregati)