O surgimento de um vilão

voltar
atualizado 28 setembro 2016 Deixar comentário

por Jose Mochila

Um minuto de prosa.

Como se eu não fosse acostumado.

Como se eu não fosse natural do Cone Sul.

Como se eu fosse um periodista de origem caribenha, de passagem rápida pela fronteira Brasil-Uruguai, emparedado por um choque de culturas sem precedentes.

Meus primeiros dias de visitante-residente na cidade de Jaguarão estão sendo marcados pela chegada de um personagem que considero difícil.

Acostumado a fazer caminhadas no início da manhã, onde quer que eu esteja morando ou por onde eu esteja com minha publicitária mochila de andarilho, importa considerar: fui traumaticamente surpreendido ao colocar os pés numa calçada esburacada, depois de descer as escadas que me levariam à vida social, isto é, num instante em que uma boca sulina começaria a reproduz um tchêêêê…

Dizia eu: descia as escadas de um pequeno prédio, em um movimento em espiral, apoiado num corrimão de maneira a atingir o primeiro piso e, sem muita prevenção, atingir uma saída para o que passei a chamar de retrato mágico de realidade, cenário de onde tentaria me fazer incluído feito uma boa vizinhança. Ficara, pois, a maior parte do tempo fechado num escritório particular, me dedicando à escritura de um texto de nome e gênero ainda não postos à uma prova cabal.

Quero dizer, pouco antes de abrir a porta para a vida social, pouco antes de girar a maçaneta, antes mesmo de pensar que eu não pudesse esbarrar mais com uma vilania evocada, antes mesmo de pensar que eu estava livre de qualquer desconforto de mundo, e que eu não percebesse certo deslocamento de animal numa imagem escura de serração, já que eu deixei de acompanhar o calendário num mês de março, por descuido ou por concentração profissional, pois bem, assim que eu cruzei a porta e me deparei com aquela figura que me tanto faz corar as bochechas de tempos em tempos, santa paciência para suportar este momento dramático, em específico, falo de um iminente período do ano: Inverno, um apresentado anti-herói deste fragmento diario.

 

Leave a Reply